Trigo

Tornou-se um dos alimentos mais polêmicos do planeta por sua notória proteína de glúten -que alguns dizem levar a tudo, desde a obesidade à depressão. Investigamos a verdade (e consequências) por trás das reivindicações.

Na primavera de 2014, Sheela Pai parou de comer trigo. A advogada de 35 anos de idade, residente de Nova York, passou anos sofrendo de sintomas vagos e aparentemente não relacionados, incluindo fadiga, erupções, inchaço e uma fome voraz que batia nela ao menos uma hora depois de certas refeições. Eventualmente, ela se perguntava se poderia haver uma ligação entre estes sintomas e sua dieta. Depois de várias experiências mal-sucedidas com outros alimentos, ela decidiu tentar cortar o trigo. Quando o fez, ela mudou sua vida.

“Eu tinha perdido peso no passado, mas isso era diferente,” Sheela explica. “Os quilos foram embora, e pela primeira vez, eu parei de sentir falhas de energia às 15h e comecei a dormir tranquilamente. Minha pele melhorou. Meu corpo ficou menos inflamado, e eu realmente vi os resultados de todo o meu exercício”. Isso melhorou o seu humor. Amigos disseram que ela parecia uma pessoa diferente.

Sheela não tinha sido testada ou diagnosticada por um médico com qualquer doença relacionada ao trigo, mas ela percebeu que sempre que consumia mais do que alguns alimentos à base de trigo por uma semana, os sintomas retornavam. Hoje, ela está ainda livre de trigo e tem a intenção de fazer a mudança permanente. “Você não sabe o quão bom você pode sentir”, diz ela, “até que você sinta isso.”

Sheela Pai não está sozinha na busca de salvação em uma dieta livre de trigo. Hoje, na América -vonde cantamos canções patrióticas sobre nossas ondas de âmbar de grãos e consumimos produtos que contém trigo em quase todas as refeições, estamos no meio de uma rebelião contra o trigo e, mais especificamente, uma proteína derivada do trigo chamada glúten. Esta revolução foi largamente influenciada por dois livros de enorme sucesso –  Wheat Belly, de William Davis, publicado em 2011 e que vendeu mais de um milhão de cópias, e o best seller de David Perlmutter, publicado em 2013, Grain Brain. Os créditos dos autores foram apreendidos por todos, de especialistas em bem-estar a blogs de comida, e convenceram muitas pessoas que o trigo, o nosso alimento mais básico e amado, está nos fazendo mal.

Celebridades como Gwyneth Paltrow, Miley Cyrus e Russell Crowe enalteceram as suas experiências de cortarem o glúten, mas os adeptos vão muito além dos ricos e famosos. De acordo com uma pesquisa de mercado recente, uma estimativa de mais de 30 por cento  dos americanos afirmam estar tentando reduzir ou cortar o glúten de suas dietas, e 63 por cento acreditam que uma dieta sem glúten pode melhorar a saúde física ou mental. A reação contra o glúten se tornou tão dominante que os supermercados ainda regulares agora estocam uma grande variedade de produtos sem glúten e sem trigo, incluindo pães, massas, biscoitos, bolos, sopas e lanches. Há até cookies sem glúten. Até a rede Hooters tem um menu sem glúten. Em 2014, o mercado livre de glúten na América trouxe cerca de US $ 8,8 bilhões em vendas.

Se você acredita nas reivindicações dos livros Wheat Belly e Grain Brain, todos nós devemos por nossas suspeitas nos sanduíches. Perlmutter, MD, neurologista, afirma ter provas “inegavelmente conclusivas” que, em grande parte devido ao glúten, “grãos modernos estão silenciosamente destruindo seu cérebro.” Davis, MD, um cardiologista, vai ainda mais longe, afirmando em sua introdução que ele “vai fazer o caso de que o grão mais popular do mundo, é também o ingrediente mais destrutivo do mundo.” Os livros culpam trigo por um rol de doenças: a síndrome do intestino irritável, um risco aumento para câncer de mama, ossos enfraquecidos, diabetes, doenças do coração, artrite, depressão, enxaqueca, envelhecimento precoce, esquizofrenia, epilepsia, síndrome de Tourette, problemas de memória, ansiedade e insônia. Acima de tudo isso? Trigo supostamente faz você ganhar gordura.

Como um jornalista que passou os últimos três anos escrevendo um livro sobre a obsessão da América com vitaminas, eu estava tentado escovar todo o movimento como uma moda passageira, a mais recente em nossa busca incessante para encontrar um único culpado para todos os nossos problemas de saúde e de peso. Mas, então, eu encontrei pessoas como Pai, que não têm um diagnóstico médico específico, mas que, porém, se sentem melhor quando evitam o trigo e glúten. O que há no trigo que poderia estar causando os seus problemas e que poderia afetar o resto de nós? Eu queria uma resposta baseada na ciência a uma questão de auto-interesse: é a baguette na cesta de pão um lanche delicioso? Ou uma séria ameaça à saúde?

O Que Há De Tão Errado Com o Trigo?
5 (100%) 1 voto

EMAGREÇA DE VERDADE!
Receba nossas atualizações por e-mail com dicas para você emagrecer com exercícios e dietas.