Obesidade

A obesidade é uma condição em que uma pessoa acumulou tanta gordura corporal que pode ter um efeito negativo sobre sua saúde.

Se o peso corporal de uma pessoa for pelo menos 20% maior do que deveria, ele ou ela é considerado obeso. Se o índice de massa corporal (IMC) estiver entre 25 e 29,9, você está considerado acima do peso. Se o seu IMC tiver 30 ou mais, você é considerado obeso.

O que é o Índice de Massa Corporal (IMC)?

O índice de massa corporal (IMC) é uma medida estatística derivada da sua altura e peso. Embora seja considerado uma maneira útil de estimar o peso corporal saudável, não mede a porcentagem de gordura corporal. A medida do IMC às vezes pode ser enganosa – um músculo pode ter um IMC elevado, mas tem muito menos gordura do que uma pessoa imprópria cujo IMC é menor. No entanto, em geral, a medida do IMC pode ser um indicador útil para a “pessoa média”.

sobrepeso

Por que as Pessoas se Tornam Obesas?

As pessoas podem se tornar obesas por muitas razões diferentes. Vamos ver algumas das mais comuns:

1) Consumindo Muitas Calorias

Atualmente, as pessoas estão comendo muito mais comida do que nas gerações anteriores. Isso costumava ser o caso apenas em países desenvolvidos – no entanto, a tendência se espalhou por todo o mundo.

Apesar de bilhões de dólares serem gastos em campanhas de conscientização pública que tentam incentivar as pessoas a comer de forma saudável, a maioria de nós continua a comer demais. Em 1980, 14% da população adulta dos EUA era obesa; Em 2000, o número atingiu 31% (The Obesity Society).

Nos EUA, o consumo de calorias aumentou de 1.542 por dia para mulheres em 1971 para 1.877 por dia em 2004. Os números para homens foram 2.450 em 1971 e 2.618 em 2004. A maioria das pessoas esperaria que este aumento de calorias consista em gordura – não tão! A maior parte do aumento do consumo de alimentos consistiu em carboidratos (açúcares). O aumento do consumo de bebidas açucaradas tem contribuído significativamente para a ingestão de carboidratos aumentada da maioria dos jovens adultos americanos nas últimas três décadas. O consumo de fast-foods triplicou ao longo do mesmo período.

Obesidade Mórbida

Vários outros fatores também contribuem para o aumento da ingestão de calorias e carboidratos da América:

  • Em 1984, a administração Reagan liberou publicidade em doces e fast foods para crianças – os regulamentos já estabeleceram limites.
  • As políticas agrícolas na maioria dos países desenvolvidos levaram a alimentos muito mais baratos.
  • O US Farm Bill significava que a fonte de alimentos processados proveniente de trigo, milho e arroz subsidiados. O milho, o trigo e o arroz tornaram-se muito mais baratos do que frutas e vegetais.

Alimentos calóricos

2) Levando Um Estilo de Vida Sedentário

Com a chegada de televisores, computadores, videogames, controles remotos, máquinas de lavar roupa, máquinas de lavar louça e outros dispositivos de conveniência modernos, as pessoas geralmente estão liderando um estilo de vida muito mais sedentário em comparação com seus pais e avós.

Algumas décadas atrás, as compras consistiam em caminhar pela estrada para a rua principal, onde se podiam encontrar os mercearias, padeiros, bancos, etc. À medida que grandes supermercados e shopping centers fora da cidade começaram a aparecer, as pessoas passaram de usar seus pés para dirigir seus carros para obter suas provisões. Em alguns países, como os EUA, a dependência do carro tornou-se tão forte que muitas pessoas dirigem, mesmo que seu destino esteja a apenas meio quilômetro de distância.

Quanto menos você se move, menos calorias que você queima. No entanto, esta não é apenas uma questão de calorias. A atividade física tem um efeito sobre como seus hormônios funcionam, e hormônios têm um efeito sobre como seu corpo lida com alimentos. Vários estudos mostraram que a atividade física tem um efeito benéfico em seus níveis de insulina – mantendo-os estáveis. Os níveis instáveis de insulina estão intimamente associados ao aumento de peso.

obesidade

3) Não Dormir o Suficiente

Pesquisas indicam que se você não dormir o suficiente, seu risco de tornar-se obeso será em dobro. Pesquisas foram realizadas na Warwick Medical School da Universidade de Warwick. O risco aplica-se a adultos e crianças. O professor Francesco Cappuccio e a equipe revisaram evidências em mais de 28 mil crianças e 15 mil adultos. Sua evidência mostrou claramente que a privação do sono aumentou significativamente o risco de obesidade em ambos os grupos.

O professor Cappuccio explica que a privação do sono pode levar à obesidade através do aumento do apetite como resultado de mudanças hormonais. Se você não dormir o suficiente, você produz Ghrelin, um hormônio que estimula o apetite. A falta de sono também resulta em seu corpo produzindo Leptina menos, um hormônio que suprime o apetite.

dormir-cedo

4) Destrutores Endócrinos, Como Alguns Alimentos que Interferem no Metabolismo Lipídico

Uma equipe da Universidade de Barcelona (UB) liderada pelo Dr. Juan Carlos Laguna publicou um estudo na revista Hepatology que fornece pistas sobre o mecanismo molecular através do qual a frutose (um tipo de açúcar) em bebidas pode alterar o metabolismo da energia lipídica e causar fígado gordo E síndrome metabólica.

A frutose é principalmente metabolizada no fígado, órgão alvo das alterações metabólicas causadas pelo consumo desse açúcar. Neste estudo, ratos que receberam bebidas contendo frutose apresentaram uma patologia semelhante à síndrome metabólica, que no curto prazo causa acúmulo de lipídios (hipertrigliceridemia) e fígado gordo, e eventualmente leva a hipertensão, resistência à insulina, diabetes e obesidade.

Dietas pouco equilibradas e a falta de exercícios físicos são fatores-chave no aumento da obesidade e outras doenças metabólicas nas sociedades modernas. Em estudos epidemiológicos em seres humanos, o efeito da ingestão de bebidas açucaradas com frutose também parece ser mais intenso em mulheres.

O efeito da frutose no cérebro pode promover a obesidade – pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Yale compararam os efeitos da frutose e da glicose no cérebro com exames de ressonância magnética e descobriram que dietas de alta frutose podem estar por trás da atual epidemia de obesidade.

Em um artigo publicado no JAMA (Journal of the American Medical Association), os autores disseram que descobriram que as regiões do cérebro que regulam o apetite tornaram-se ativas quando as pessoas consumiram glicose, mas permaneceram inativas quando ingeriram frutose. Quando essas regiões se tornam ativas, elas liberam hormônios que produzem sentimentos de saciedade (plenitude) – ou seja, os hormônios dizem que você deixe de comer.

sucos

5) Taxas Mais Baixas de Tabagismo (o tabagismo suprime o apetite)

De acordo com os Institutos Nacionais de Saúde (NIH) “Nem todos ganham peso quando param de fumar. Entre as pessoas que o fazem, o ganho de peso médio é entre 3 e 4 quilos. Aproximadamente 10 por cento das pessoas que param de fumar ganham uma grande quantidade de peso – 30 libras ou mais.

6) Medicamentos que Fazem os Pacientes Engordarem

De acordo com um artigo publicado em Annals of Pharmacotherapy, alguns medicamentos causam aumento de peso. “O aumento de peso clinicamente significativo está associado a alguns medicamentos comumente prescritos. Existe uma ampla variação interindividual na resposta e variação do grau de ganho de peso dentro das classes de medicamentos. Quando possível, a terapia alternativa deve ser selecionada, especialmente para indivíduos predispostos a sobrepeso e obesidade.

7) A Obesidade se Autoperpetua?

Quanto maior a pessoa com excesso de peso, mais difícil torna-se para ela perder peso. Muitos se perguntam se a própria obesidade se torna um estado permanente, ou seja, a obesidade promove a obesidade? Pesquisadores da Universidade de Michigan e do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia (COINCET) na Argentina, informaram no Journal of Clinical Investigation que, em experiências com animais, a obesidade parece se tornar um estado autoperpetuante.

Eles descobriram que o peso corporal “normal” de camundongos que se tornam obesos começa a subir; a percepção do peso normal dos seus corpos torna-se mais pesada do que antes, independentemente de terem feito dietas que os fizeram perder peso.

excesso de peso

O autor principal, Malcolm J. Low, MD, Ph.D., disse: “Nosso modelo demonstra que a obesidade é em parte um transtorno autoperpetuante e os resultados enfatizam ainda mais a importância da intervenção precoce na infância para tentar prevenir a condição cujos efeitos Pode durar toda a vida. Nosso novo modelo animal será usado para identificar as razões pelas quais a maioria dos adultos acham extremamente difícil manter perda de peso significativa da dieta e do exercício sozinho “.

Além deste estudo, a pesquisa publicada na revista Nature Communications em 2015 sugere que a perda de peso é mais difícil quando carregamos mais gordura. Os cientistas sugerem que quanto mais gordura carregamos, mais nossos corpos parecem produzir uma proteína que bloqueia nossa capacidade de queimar gordura.

8) Gene da Obesidade

Um gene defeituoso, chamado FTO, faz com que 1 em cada 6 pessoas coma demais, uma equipe de cientistas do University College London informou no Journal of Clinical Investigation (edição de julho de 2013).

O investigador principal, Racher Batterham, explicou que as pessoas que carregam a variante do gene FTO tendem a comer demais, preferem alimentos com alto teor energético e gordurosos, e geralmente são obesos. Eles também parecem levar muito mais tempo para alcançar a saciedade (sentimento de estar cheio).

obesidade-infantil

Obesidade: Conheça as Causas e Tratamentos
5 (100%) 1 voto