Uma nova pesquisa sugere que suas partes do corpo envelhecem em velocidades diferentes. A boa notícia: Exercícios trazem o tempo de volta. Todos nós já ouvimos sobre o maratonista com o coração de um rapaz de dezenove anos de idade, ou sobre a yogi cujos glúteos parecem estar décadas mais jovens do que o restante do corpo. Mas há alguma verdade nessas afirmações? Talvez sim.
De acordo com um estudo recente da UCLA , certos tecidos e órgãos apresentam taxas de idade diferentes do que outros. O tecido mamário saudável, por exemplo, mostrou-se cerca de dois ou três anos mais velho do que o resto do corpo de uma mulher, enquanto o tecido do coração parecia ser, em média, cerca de nove anos mais jovem do que o restante. Embora a causa exata para essas variações ainda seja desconhecida (essencialmente, está em nosso DNA), existem maneiras, comprovadas em pesquisa, para ajudar a manter seu corpo o mais jovem, vibrante e saudável possível.
“Estamos falando de um certo lado genética, mas o que fazemos ao longo de nossas vidas pode modificar isso”, diz o membro da Equinox Advisory Board, Thomas Storer, Ph.D., diretor do laboratório de fisiologia do exercício no Hospital Brigham and Women de Boston. Veja como ajudar fisicamente suas diferentes partes do corpo,  para que “voltem no tempo”.

CORAÇÃO E PULMÕES

 Atletas que continuam a treinar enquanto envelhecem perdem a sua aptidão cardiovascular em cerca de metade da taxa de seus pares batata de sofá, diz pesquisa publicada no Journal of Applied Physiology. Outro estudo, publicado na revista Circulation, revelou que seis meses de treinamento de resistência revertia todas e quaisquer quedas relacionadas à idade na potência aeróbia que os participantes do estudo (homens na faixa dos 50 anos) tinham experimentado. “Você precisa ficar ativo para manter tudo funcionando corretamente, mas você também precisa ter bastante tempo de recuperação”, diz o membro da Equinox Advisory Board, Justin Mager, MD, um fisiologista do exercício e internista em Mill Valley, Califórnia. “O coração funciona realmente 1/3 do tempo, e o outro de 2/3 é de recuperação para a próxima batida. Da mesma forma, é muito importante dar ao seu corpo tempo para se adaptar à mudança e estresse.

MÚSCULOS

De acordo com o Colégio Americano de Medicina do Esporte, a partir de cerca dos 40 anos, o nosso desempenho muscular deteriora a uma taxa de cerca de 5 por cento por década, com o processo de aceleração depois dos  65 anos para 70. Mas a pesquisa publicada no The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism mostra que você poderia potencialmente desacelerar (ou reduzir) a perda muscular, seguindo um programa de cardio e força consistente, mesmo se você não começar tardiamente na vida.

ARTICULAÇÕES

Ter consciência de que sua biomecânica vai enfraquecer ao longo do tempo. “Se você entorta os joelhos ao correr, se volta suas costas ficam mal alinhadas durante o passeio de bicicleta, ou se você realiza regularmente exercícios de forma inadequada na academia, o agravamento continuado fará com que seu corpo crie dores, artrite, e, finalmente, envelheça suas articulações mais rapidamente”, diz Storer. “Receba uma formação adequada e execute a técnica da forma correta, e você vai se manter saudável a um longo prazo.”

SEIOS

Embora os resultados do estudo acima mencionados referem-se mais às diferenças hormonais no tecido mamário, a flacidez inegável que ocorre aos seios ao longo do tempo é devido, em grande parte, à deterioração do ligamento de Cooper, que atravessa o peito. “Se uma mulher que faz atividades de alto impacto tentar reduzir o movimento com suporte sólido, a velocidade com que as quebras de ligamento ocorrem será mais lenta”, diz Storer.

CÉLULAS

Cada célula, ou cromossomo, em seu corpo, é tampada com um dos telômeros, ou um trecho de DNA que torna possível que as células se dividem. Cada vez que uma célula se divide, os telômeros se encurtam, e, ao longo do tempo, quando ficam muito curtos, eles morrem. Portanto, os pesquisadores costumam usar o comprimento dos telômeros para avaliar o envelhecimento biológico. Um estudo alemão comparou o comprimento dos  telômeros de corredores de longa distância de meia-idade  com os de pessoas sedentárias da mesma idade, e os resultados revelaram que a perda de telômeros dos corredores foi reduzida em cerca de 75 por cento, o que significa que suas células reais eram significativamente mais jovens do que seus pares inativos. Vida longa aos maratonistas – literalmente.

Quão Velho é o Seu Corpo?
5 (100%) 1 voto

EMAGREÇA DE VERDADE!
Receba nossas atualizações por e-mail com dicas para você emagrecer com exercícios e dietas.