Soja

É a soja uma poderosa fonte de saúde, ou um risco para você?

Poucos alimentos são tão divididos como a soja. É saudável ou prejudicial? Depende de quem você fala. Pense na mulher de pele bonita, que você sabe que come fatias de tofu e consome leite de soja gelado com uma colher de Zen. Então imagine que outro amigo, aquele que jurou cortar completamente a soja depois de ler sobre seus riscos reprodutivos. Quem está certo? Está longe de ser óbvio. Muitas pessoas que se alimentam de produtos naturais tendem a ser anti-soja; o autor e vegan, Mark Bittman, a abraça. Um dos alimentos mais estudados na história recente – pesquisadores analisaram seus efeitos sobre tudo, desde a memória até o sexo – a soja tornou-se uma lona branca esponjosa a qual muitos depositaram as esperanças e medos sobre o alimento. “A soja certamente gerou muita confusão”, diz Heather Patisaul, Ph.D., biólogo da Universidade Estadual da Carolina do Norte, que estuda essa e outras fontes de estrogênio ambiental. “As pessoas foram de abraçar soja, a evitá-la, por com medo”.
Em qualquer caso, a soja está em quase toda parte. Os americanos gastaram 4,5 bilhões de dólares americanos em alimentos de soja em 2013, ante US $ 1 bilhão em 1996. Os derivados da proteína de soja são utilizados para impulsionar as coisas , como textura e prazo de validade em centenas de alimentos de supermercados, tais como barras de cereais e nutrição. Enquanto isso, os restaurantes fast-food, como Chipotle, estão servindo alimentação vegetariana como sofritas de tofu.
Então, qual é a verdadeira história da soja – ela pode nos prejudicar, ou nos curar? Para encontrarmos algumas respostas claras, cavamos fundo na pesquisa, e conversamos com cientistas que estudam soja por décadas.

 

A ascensão da soja

 

 

Se seus avós olham para você estranhamente quando você fala sobre tofu, é porque alimentos de soja são relativamente novos no mercado. Os agricultores de soja têm crescido na América por décadas para fazer alimentação animal, mas não era muito conhecida, até vegetarianismo tornar-se moda na década de 1970, quando a soja tornou-se popular para as pessoas também. Em seguida, ela pegou rapidamente, e por boas razões. Tofu e outros alimentos de soja – como edamame e leite de soja -contém todos os aminoácidos essenciais que o corpo precisa para construir proteínas completas. Alimentos de soja também são livres de colesterol e baixo teor de gordura saturada.
A popularidade da soja explodiu nos anos 1980 e 90, depois que as pesquisas sugeriram que ela poderia reduzir significativamente o risco de doenças crônicas. Grandes estudos populacionais mostraram que as mulheres asiáticas, que consomem uma grande quantidade de proteína de soja, apresentaram taxas muito mais baixas de doenças cardíacas, diabetes e obesidade do que as mulheres norte-americanas. (Os japoneses comem cerca de 9 gramas por dia, contra cerca de 1 grama para os americanos.) Em 1995, pesquisadores da Universidade de Kentucky zeraram, em coração saudável, o potencial da soja, depois de analisar de perto 38 estudos clínicos. Sua conclusão? Comer 50 gramas de proteína de soja por dia – o equivalente a 2 ½ xícaras de tofu ou sete xícaras de leite de soja – reduziu o ruim colesterol LDL  por impressionantes 12,9 por cento. Em parte por causa destes resultados, em 1999, o FDA começou a permitir que os fabricantes colocassem rótulos em alimentos de soja, divulgando que 25 gramas de proteína de soja pode reduzir o risco de doença cardíaca. Um ano depois, a American Heart Association anunciaou: “É prudente recomendar a inclusão de alimentos de proteína de soja em uma dieta baixa em gordura saturada e colesterol”. Os produtos da soja começaram a voar das prateleiras dos supermercados.
Enquanto isso, a soja estava ficando visada também por uma outra razão: o seu possível papel na prevenção do câncer. Esses mesmos estudos populacionais foram mostrando que as mulheres asiáticas tiveram um risco cinco vezes menor de câncer de mama, em comparação com as mulheres americanas. Assusdatoramente foi relatado que, quando jovens mulheres asiáticas se mudaram para os Estados Unidos e começaram a comer como os americanos, os riscos para o câncer subiram cerca de 30 por cento.
Ansiosos para entender o porquê, pesquisadores se concentraram em compostos chamados isoflavonas. Mais de um século antes, os cientistas descobriram que certas plantas – notadamente alguns legumes ou feijão – produziam estes compostos para repelir pragas, como fungos e bactérias. A soja é de longe a fonte mais rica: ela tem 50 vezes mais peso do que as isoflavonas de ervilhas. Poderiam isoflavonas também proteger os seres humanos?
Ele certamente parecia possível. Os cientistas passaram décadas tentando entender como as isoflavonas agem dentro de nossos corpos. Mas, geralmente, depois de comer um hambúrguer de soja, isoflavonas viajam de seu intestino para a corrente sanguínea. Lá, elas quimicamente ficam muito parecidas como o hormônio feminino estrógeno. Voltando no início dos anos 90, os cientistas não tinham certeza se as isoflavonas enganam o corpo, levando ele a pensar que elas eram estrogênio, acionando assim, a atividade de estrogênio, ou, se de alguma forma, interferiram na atividade de estrogênio e o diminuiu. É uma questão importante, uma vez que alguns cânceres do sistema reprodutivo, incluindo certos tipos de câncer de mama, são “estrogênio-receptor-positivo”, ou seja, os tumores crescem quando expostos ao estrogênio.
As baixas taxas de câncer em mulheres asiáticas sugeriram uma resposta: que estes estrogênios as protegiam do câncer, de alguma forma, bloqueando a atividade de estrogênio no interior das células da mama. Fazendo isso, os estudos em ratos de laboratório mostraram que as isoflavonas genisteínas, como as encontradas na soja, poderiam inibir o desenvolvimento do câncer de mama.
E assim, quando América abraçou as campanhas da fita cor de rosa e as passeatas pela cura, a soja foi vista como o milagre dos alimentos.

Uma preocupação crescente

Mas, como a maioria das estrelas nutricionais, a soja logo caiu de seu pedestal. Investigações começaram a surgir, sugerindo que alimentos de soja não melhoraram a saúde do coração, como os estudos anteriores haviam sugerido. “A evidência não era tão robusta quanto as pessoas esperavam”, lembra Mark Messina, Ph.D., ex-diretor do programa no Instituto Nacional do Câncer, que agora é o diretor-executivo do Instituto de Nutrição da soja, que trabalha com a soja industrial para coletar dados nutricionais.

“Um monte de estudos saiu não mostrando um efeito, ou mostrando um efeito muito pequeno sobre a saúde cardíaca”, explica o porta-voz da American Heart Association, Penny Kris-Etherton, Ph.D., um cientista de nutrição da Penn State University. Em 2006, Kris-Etherton, co-autor de um novo relatório da AHA, concluiu que 50 gramas de proteína de soja por dia reduziu os níveis de LDL por apenas cerca de 3 por cento, e não o célebre 12,9. Alguns até se perguntaram se diminuir o colesterol foi um benefício lateral de uma melhor dieta em geral: como Patisaul coloca, “Foram realmente as isoflavonas da soja que abaixaram o colesterol, ou foi o fato de que as pessoas que começam a comer soja, em seguida, passaram a comer menos carne?”. Em qualquer taxa, uma queda de 3 por cento provavelmente não é um grande negócio. “Se você já é uma pessoa jovem e saudável com os níveis de colesterol razoáveis, a soja não pode fazer muita coisa”, acrescenta Patisaul. Em seu relatório de 2006, a AHA revisou sua posição, afirmando que pesquisas anteriores sobre os benefícios cardíacos notáveis ​​da soja “não tinham sido confirmadas” (embora ainda recomenda soja como  uma proteína vegetal saudável e de pouca gordura).

Há ainda mais uma má notícia. No início de 2000, a notícia se espalhou sobre uma série de estudos publicados por William Helferich, Ph.D., um cientista de nutrição da Universidade de Illinois, e seus colegas. O seu trabalho mostrou que a genisteína – novamente, uma das referidas isoflavonas encontradas na soja –  causaram a multiplicação das células de câncer de mama humano nas placas de Petri e dentro de tumores de câncer de mama nos ratos de laboratório. Helferich também descobriu que a genisteína fez esses tumores menos sensíveis às drogas anticâncer, como o tamoxifeno. Porque a soja ainda era uma querida nutricional, as descobertas de Helferich foram inicialmente recebidas com escárnio. Mas com novas pesquisas, Helferich diz: “a maré começou a mudar”.

Soja: Heroína ou Vilã?
5 (100%) 1 voto

EMAGREÇA DE VERDADE!
Receba nossas atualizações por e-mail com dicas para você emagrecer com exercícios e dietas.