arroz

A História do Arroz

A palavra “arroz” é derivada do árabe ar-ruzz, apesar do alimento não ter a origem do seu cultivo na região árabe. Na verdade, a origem do arroz se deu na Ásia, na região entre a Índia e a China. Cereal importante e presente na alimentação de diversos povos, o arroz é também a base alimentícia de metade da humanidade.

Com o passar do tempo, o arroz passou a ser cultivado no Ocidente, se espalhando por diversas regiões. Acredita-se que esse processo se iniciou por volta do século IV a.C., quando os expedicionários da Macedônia, na época governada por Alexandre, o Grande, retornaram do Oriente, trazendo o cereal e iniciando a sua introdução na Grécia e Sicília. Algum tempo mais tarde, no século VIII d.C., os invasores árabes levaram o arroz para a região de Andaluzia e para o sul de onde hoje é Portugal.

Na época das Grandes Navegações, o arroz atravessou o Oceano Atlântico com os portugueses, que o trouxeram para o Brasil. Já os navegadores espanhóis levaram o alimento para outras regiões da América do Sul e América Central. A introdução do alimento nos Estados Unidos se deu pelos ingleses, no ano de 1685, mais precisamente onde hoje é o estado americano da Carolina do Sul.

Tendo suas origens na Ásia, hoje o arroz é um patrimônio mundial e é um cereal cultivado em quase todos os continentes, ficando de fora apenas a Antárctica. Hoje o alimento complementa diversos pratos e receitas no Ocidente. Pratos como o marisco português e a paella espanhola, por exemplo, são receitas que têm o arroz como base. No Oriente, porém, o arroz tem um lugar tão grande na cultura que a sua existência até se confunde com a vida cotidiana e com a crença de diversos povos de países orientais.

A palavra “riso”, de origem indiana, transformou-se em “brizi” na antiga Pérsia, e foi transcrita por “orizi” pelos gregos antigos. Essa palavra foi, portanto, a que deu origem aos diversos nomes do cereal em todas as línguas.

A importância do arroz é tanta que ele está presente em diversas religiões e é em volto em diversos mitos. Os hindus e budistas associam esse alimento às principais divindades de suas religiões, por exemplo. Em Bali, uma ilha localizada na Indonésia, cujo hinduísmo é forte, acredita-se que o deus Vishnu criou a Terra com o propósito de que o arroz crescesse nela e fosse cultivado pelos humanos, com os ensinamentos do deus Indra.

Ainda na área do misticismo, o povo Kachin, da Birmânia, acredita que o ser humano recebeu as sementes do arroz, tendo sido levado depois para um lugar perfeito, onde as plantações de arroz cresciam de maneira incrível.

Descobertas arqueológica apontam que o arroz teve o seu cultivo iniciado por volta do ano 3000 a.C., onde hoje se localiza a Índia. Porém, o cultivo desse cereal pode ser ainda mais antigo. Geralmente se desenvolvendo melhor nas terras baixas e úmidas, o cultivo do arroz se deu principalmente em regiões próximas aos grandes rios, como o rio Mekong, no Vietnã, e o rio Langtzé, na China. Hoje, com a mecanização e a tecnologia industrial, o arroz, em grande parte, é cultivado sem a utilização da mão-de-obra humana. Porém, em grande parte do Oriente o arroz ainda é cultivado manualmente, devido ao fato de não faltar mão-de-obra. Os camponeses asiáticos têm bastante cuidado e carinho pelo arroz, cuidando das plantações até que os pés-de-arroz atinjam a altura ideal para o recolhimento do grão.

Nas regiões remotas do planeta, o arroz era cultivado uma única vez na mesma área ou terreno, pois acreditava-se que o solo se tornava improdutivo após ter sido aproveitado para a plantação do cereal. Os chineses, contrariando essa prática, adotaram a cultura intensiva do grão, quando passaram a utilizar fertilizantes.

Considerado talvez o principal acompanhamento para carnes e peixes na América e na Europa, o arroz ainda hoje é o principal elemento das refeições na Ásia. Há algumas décadas, a escassa produção de arroz levava milhões de pessoas a morrerem de fome no continente. Na década de 1960, porém, o esforço científico que possibilitou a criação de variedades mais robustas e resistentes, conhecida como Revolução Verde, permitiu que as plantações do cereal não sucumbissem tão facilmente às pragas e doenças, felizmente possibilitando que um maior número de pessoas da China, da Índia e do Sudeste Asiático se alimentassem, fazendo com que o tempo da grande fome desaparecesse.

A importância do arroz para o mundo é tamanha que cerca de metade da população mundial depende do consumo desse alimento para sobreviver. Grande parte dessas pessoas vive na Ásia. Não à toa, os países que mais produzem arroz são a China, a Índia, o Bangladesh, o Japão, a Tailândia, a Indonésia e a Birmânia, fator que faz do continente asiático o maior responsável pela produção e consumo do arroz do mundo. Apesar desse fato, contudo, o Brasil e os Estados Unidos também são grandes produtores do popular grão.

Poderes Medicinais do Arroz

A primeira menção ocidental ao arroz foi feita por Teofrasto, um discípulo do filósofo grego Aristóteles. Teofrasto, naquela ocasião, citou os possíveis poderes medicinais que o arroz tem, especialmente para o intestino. Antigos médicos gregos e romanos constataram os resultados positivos que a água do arroz promove, auxiliando no combate aos problemas intestinais. Naquela época o arroz ainda era pouco consumido no Oriente, fato que elevava o preço do grão, fazendo com que que apenas as classes mais abastadas tivessem acesso ao consumo do grão. Os possíveis poderes medicinais, associados à raridade do arroz, faziam dele um alimento caro e especial.

O arroz está presente em muitos outros fatos históricos. Segundo um monge italiano que viveu no século XIII contava, São Luís, seguindo para as Cruzadas, teria se alimentado de um prato de arroz com amêndoas. Já a a rainha espanhola Isabel, a Católica, apreciava um prato feito com farinha de arroz, carne de galinha e diversas especiarias.

Apesar do arroz ser um alimento amplamente consumido e ter uma importância na sociedade e na história do mundo, esse cereal nem sempre teve boa fama. Durante a Idade Média, por exemplo, as pestes e doenças eram associadas aos pântanos. Como o arroz era cultivado nas regiões mais úmidas, acabou sofrendo rejeição

Arroz: Dicas de Consumo

– A seleção dos bons grãos e a exclusão dos grãos ruins antes do cozimento do arroz são essenciais para a qualidade do prato e para a saúde. É comum que alguns grãos não estejam em boas condições de consumo, assim como é comum que pequenas pedrinhas e outras impurezas estejam misturadas aos grãos que compramos.

– É importante que se cozinhe o arroz de acordo com a indicação da receita, utilizando-se o recipiente adequado. Os tipos de arroz podem apresentar durezas distintas, fato que influencia na qualidade do prato, já que cada tipo tem exigências especiais para o preparo.

– Os grãos de arroz cru devem ser colocados no recipiente cheio de água apenas quando está já está fervendo e temperada com sal. É preciso prestar atenção quanto ao cozimento, tomando cuidado para que o arroz não grude no fundo.

– Para o arroz ser cozido com gordura, primeiro deve-se adicionar a gordura ao arroz, para depois acrescentá-lo à água fervente.

– No preparo do arroz integral, é indicado que ele primeiramente seja adicionado ao recipiente com água fria, para em seguida o recipiente ser colocado no fogo, para assim ser fervido.

– Caso haja necessidade de se acrescentar mais água durante o cozimento do arroz, é necessário que o líquido esteja fervendo antes de ser adicionado ao recipiente, caso contrário o processo de cozimento é interrompido.

– Geralmente o arroz cozido é preparado em recipientes destampados, com exceção do cozimento à vapor, que deve ser feito em uma panela de pressão.

– Atente-se ao preparo do arroz, para que ele não seja cozido além do limite.

– O cozimento do arroz que é preparado para ser comido frio, como em saladas, deve ser feito fechado.

Tabela Nutricional do Arroz

tabela_nutricional_arroz

 

5 (100%) 1 voto






EMAGREÇA DE VERDADE!
Receba nossas atualizações por e-mail com dicas para você emagrecer com exercícios e dietas.