Caqui

História e Características do Caqui

O caqui, fruta arredondada, levemente achatada e que apresenta uma coloração que varia da alaranjada para a amarelo-clara, amarelo-escura e vermelho-alaranjada, é popularmente consumido em diversos lugares do planeta por ser um alimento nutritivo, com textura e sabor bastante agradáveis; isto se deve ao fato de sua polpa ser viscosa e adocicada, além de apresentar uma aparência bastante chamativa, com uma tonalidade que varia da vermelha para a alaranjada. Delicado e gostoso, o caqui é bastante consumido in natura, servindo ainda como ingrediente de diversos pratos.

A árvore do caqui, chamada de caquizeiro, geralmente apresenta uma altura de 12 metros, e sua copa é ramificada e arredondada. As flores do caquizeiro apresentam uma coloração alvo-amarelada. A melhor época da frutificação do caquizeiro é entre o final do verão e meados do outono.

As origens do caqui se deram na Ásia, mais especificamente na China. De lá o caqui foi levado para outras regiões, como Japão e Índia. Por ser uma fruta nativa de climas subtropicais, o caqui cresceu e se desenvolveu em seu habitat há muito tempo. Com o passar dos milênios ele acabou por se espalhar pelos cinco continentes, e hoje a fruta é cultivada em praticamente todas as regiões que apresentam características propícias para tal, como clima temperado e clima subtropical.

A família botânica a qual o caqui pertence é a das Ebenáceas. As espécies desta família que produzem frutos aptos para o consumo pertencem ao gênero Diospyros. Em Grego, Diospyros significa algo como “alimento dos deuses”. O caqui, dentre estas espécies, é talvez o fruto que apresenta maior importância econômica.

Segundo indícios históricos, os caquizeiros foram introduzidos no Brasil por volta do final do século XIX, mais precisamente em São Paulo. Entretanto, a expansão do cultivo do caqui só se deu a partir de 1920, devido às grandes levas de imigrantes japoneses que vieram para cá. Por apresentarem a tradição de consumir o fruto, além de grande conhecimento a respeito da cultura do caquizeiro, os japoneses foram os grandes responsáveis pela expansão do plantio e do consumo de caqui no Brasil. Além disso, diversas outras variedades e técnicas de cultivo foram introduzidas no nosso país. A fruta se aclimatou de maneira bastante satisfatória: por aqui, o caqui se frutifica ainda melhor do que nas suas regiões de origem, fato este que fez do caqui um produto de extrema importância para a nossa exploração comercial.

Uma curiosidade a respeito do caquizeiro é que durante o inverno ele apresenta uma intensa e completa perda de suas folhas; além disso, durante os invernos mais rigorosos, a produção de caquis torna-se ainda melhor, já que a árvore se dá bem com o frio. Apesar disto, o caquizeiro também se desenvolve bem com o calor, desde que o inverno ocorra na época certa e seja frio. Por este motivo, o caquizeiro se desenvolve muito bem em regiões como Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo, além das regiões serranas de Espírito Santo e Minas Gerais. Uma grande e saudável safra é garantida com mais de 1 milhão de pés de caqui que são plantados no Sul, no Sudeste e em regiões do Brasil Central, o que é excelente tanto para os produtores da fruta, como também para o consumidores e amantes da mesma.

Da produção nacional de caquis, mais da metade é oriunda de grandes pomares do Estado de São Paulo, principalmente das regiões de Campinas, Sorocaba, Vale do Paraíba e Grande São Paulo e tem como destino o mercado interno. Anualmente são produzidas cerca de 87 mil toneladas da fruta, com grande destaque para os municípios de Ibiúna, Mogi das Cruzes, Guararema e Morungaba, que garantem uma boa safra.

São 3 os grandes tipos/variedades de caqui produzidos no Brasil: “sibugaki”, também chamados de taninosos, são aqueles que apresentam a coloração avermelhada e têm necessidade de passar por um tratamento após serem colhidos, garantindo assim as características essenciais para o bom consumo, já que esta espécie apresenta uma sensação adstringente na boca ao ser consumida, pois contém grande quantidade de tanino. Outra espécie produzida no Brasil é a “amagaki”, representada pelos caquis de sabor doce e não taninoso que apresentam polpa firme e coloração amarelada quando maduros, o que faz desta espécie própria para ser consumida sem necessidade de passar por um tratamento. Por fim, a espécie de variáveis apresenta tanto os caquis cujas polpas são amarelas, sem sementes e sem presença de tanino, como também  os caquis cujas polpas são escuras e com sementes e tanino.

A diversidade de espécies do caqui é gigante. Somente no Japão, mais de 800 variedades da fruta são catalogadas. Talvez nenhuma fruta apresente tantas variedades de formas, tamanhos, cores, polpas, sabores, colorações, sementes, texturas e grossuras da casca como o caqui.

Variedades de Caqui

As variedades de caqui mais exploradas pelo comércio brasileiro mudam de acordo com a região onde os caquizeiros são cultivados. Em São Paulo, por exemplo, destacam-se as variedades tipo Taubaté e Rama Forte, cujas características são a maciez da polpa, e o Fuyu, que apresentam uma consistência rígida e crocante. Já no Rio Grande do Sul, as variedades exploradas são o Kioto, com polpa macia, e o Fuyu, também cultivado em São Paulo. O caqui Fuyu, integrante do grupo de caquis “amagaki”, é o mais quisto para o mercado internacional, o que faz dele um produto que o Brasil exporta para a Europa, ainda que em uma escala pequena.

Passa de Caqui

Apesar de ser mais consumido em sua forma natural, o caqui é utilizado em diversas receitas de sobremesas como bolos, musses e até mesmo biscoitos. Tradicionalmente consumida pelos descendentes de japoneses que vieram ao Brasil, a passa de caqui desidratado é uma sobremesa muito agradável e apreciada. Quanto mais firme for a polpa da fruta, mais qualidade terá a sobremesa. Esta também é talvez a única maneira de se conservar o caqui na entressafra. O processo apresenta ainda a grande vantagem de conservar as qualidades nutritivas do caqui, uma vez que não há a adição de produtos químicos que são prejudiciais à saúde.

Uma característica bastante interessante do caqui é que ele praticamente é composto somente de polpa. Esta apresenta grandes quantidades de caroteno e vitaminas do complexo B e complexo C. Gelatinosa, a polpa do fruto é basicamente constituída de pectina e mucilagem, os grandes responsáveis por esta característica. O teor de açúcar do caqui varia entre 14% e 15%, superando assim a maioria das frutas consumidas popularmente.

Benefícios do Caqui

Para perda de peso: o caqui é um bom auxiliador para aqueles que querem perder peso, isto devido ao fato da fruta ser rica em fibras. A ingestão de alimentos carregados de fibras proporciona um aumento na sensação de saciedade, levando o indivíduo a comer porções menores. Outro benefício do caqui para a perda de peso é a capacidade que ele tem de reduzir a vontade de comer açúcar e alimentos processados.

Para os olhos: o principal causador de danos às retinas dos olhos são os radicais livres, e estes muita vezes levam à perda de visão. Pelo caqui ser uma fruta rica em nutrientes e antioxidantes como a vitamina A, vitamina C, vitamina K e zeaxantina, ele ajuda a proteger os nossos olhos, mantendo-os saudáveis.

Para a saúde do sistema digestivo: por ser rico em frutas, o caqui não somente ajuda a aumentar a sensação de saciedade, como também contribui para o melhor funcionamento do processo de digestão, contribuindo de maneira significativa para a prevenção da constipação.
Para o combate ao câncer: os nutrientes presentes em grandes quantidades no caqui garantem ao organismo uma maior proteção contra os radicais livres, que são os grandes responsáveis pelo desenvolvimento do câncer. Os fitonutrientes e antioxidantes, presentes no caqui, neutralizam os radicais livres, aumentando assim a prevenção aos danos que estes causam ao DNA. Quando danificadas, as células do DNA se transformam em células cancerígenas. Portanto, a fruta é bastante eficaz para a nossa proteção contra as causas do câncer.
Para a desaceleração do envelhecimento: os radicais livres danificam as células da pele, estimulando o envelhecimento desta de maneira mais rápida do que a normal, mas os antioxidantes e fitonutrientes ajudam a reverter o efeito de envelhecimento e contribuem para a proteção contra o envelhecimento precoce.
Para a proteção de doenças comuns: a ingestão de alimentos ricos em nutrientes garante um aumento na imunidade, contribuindo bastante para a proteção de gripes, resfriados e infecções.

Tabela Nutricional do Caqui

tabela-nutricional-caqui

 

Tabela Nutricional do Caqui
5 (100%) 1 voto